Startup da semana - Betapp


Por: Daniel Araújo Há 4 anos, 6 meses atrás

A Betapp assume-se como um projecto arrojado, com muita ambição. Coloca muito do seu foco na dinâmica da equipa, em vez de se focar, numa fase inicial, em receitas. Pela primeira vez, fizémos também um vídeo com as perguntas que colocámos à equipa. Revejam aqui todas as suas histórias, particularmente o seu recente Roadshow pela Ásia!

O que é o Betapp?

O Betapp é uma rede social de apostas entre amigos. No Betapp é possível criar qualquer tipo de apostas, desafiar os amigos diretamente e ainda partilhar as experiências.

Quem são os fundadores e qual a sua história? Como chegaram à ideia para fundar a Start-up?

Os fundadores são o Luís Santiago Pinto e o Duarte Maia. Esta ideia surgiu numa noite de copos em que os dois foram sair e fizeram uma aposta: o Luís apostou com o Duarte quem é que conseguia mais beijinhos na cara de miúdas durante um minuto. A aposta valia 10€, o Luís ganhou e o Duarte não lhe pagou. Depois do Luís insistir para receber o pagamento, os dois conversavam sobre apostas entre amigos e foi aí que perceberam que existiam alguns problemas como o pagamento, o registo das apostas e o facto das pessoas não serem reconhecidas pelos desafios que conquistam. Foi então que surgiu a ideia de criar uma rede social para apostas entre amigos que quer resolver todos estes problemas.

No início não havia o propósito de criar uma Start-up, começamos a desenvolver a nossa ideia, o nosso projeto, começamos a construir uma equipa e naturalmente o projeto foi sendo considerado como uma startup, ou seja, cresceu de forma natural.


O que vos diferencia?

A nossa principal diferenciação é que no Betapp vai ser possível apostas a dinheiro ou créditos virtuais, que é uma moeda virtual que nós criamos, para que haja uma dinâmica de jogo, que vai permitir que se façam rankings e se ofereçam prémios através do Betapp. Bem como o facto de nós conseguirmos dar ao jogo um componente social que nunca existiu.


Para além da plataforma têm o objetivo de criar uma cultura diferente. De que forma?

Nós somos muito focados na cultura, primeiro na cultura empresarial e depois somos muito focados na nossa missão. Basicamente nós queremos ver as pessoas a fazerem aquilo que nunca foi feito, a saírem da sua zona de conforto, queremos ver as pessoas a ultrapassarem os seus limites e a fazer coisas que nunca imaginaram, e depois que possam partilhar isso com a sua comunidade, através de vídeo, fotografia ou simplesmente uma frase. Nós, enquanto empresa, somos iguais, saímos da nossa zona de conforto, a nossa forma de trabalhar é completamente diferente, somos muito focados nas pessoas, nos sonhos das pessoas. Temos uma escritório totalmente diferente, fazemos imensos eventos de teambuilding, às segundas feiras vemos todos um filme, vamos correr todos juntos a seguir ao trabalho,... Temos uma cultura muito forte e somos os primeiros a mostrar ao mundo como é que se deve sair para fora da zona de conforto e esperamos então uma resposta do nosso público da mesma forma.

Nós queremos criar uma comunidade, para pessoas que estejam fartas deste status quo de fazer apenas o que é normal e queiram fazer coisas espetaculares com a sua vida. O Betapp é um meio para atingir essa comunidade e acreditamos que é através desta rede social que essa comunidade vai emergir ainda mais.

Qual o vosso Modelo de Negócio? E qual o vosso potencial de mercado?

O nosso modelo de negócio é muito baseado em publicidade e, assim como outras casas desportivas de apostas, vamos cobrar uma percentagem do lucro do vencedor de cada aposta, quando se trata de apostas a dinheiro.

Qual é o estado atual do projecto?

Neste momento temos uma plataforma criada, estamos a fazer uma alteração ao nosso modelo porque estamos a perceber que todas as pessoas que fazem apostas, não o fazem através da web, mas sim através do mobile, sendo que estamos já a criar uma aplicação para IOS. Temos boas taxas de crescimento, temos mantido as nossas métricas e a nossa presença na internet. E continuamos com toda a força para tornar este processo real. Estamos também neste momento à procura da nossa primeira ronda de investimento e vamos fazer um roadshow pela Ásia à procura de um investidor que tenha, não só o capital, mas também o know-how certo para entrar no mercado asiático, que é o que a nossa estratégia define.


Como se veêm daqui a 1 ano?

Daqui a um ano o que queríamos mesmo era ter um utilizador em cada pais do mundo, bem como ter já um escritório aberto na Ásia, com uma equipa forte lá, termos já atingido o mercado asiático. Gostaríamos também de já ter entrado fortemente no mercado europeu, Reino Unido inclusive. E queremos ter sempre a nossa comunidade a crescer, o mais importante para nós é manter uma taxa de crescimento interessante e vermos que de facto a nossa missão está certa e que temos cada vez mais pessoas a aderir.


Têm algum conselho para os que estão agora a começar a pensar abrir uma Start-up?

O conselho seria no sentido de não se preocuparem tanto com modelos de negócio, com ideias,... Preocupem-se com a equipa e em criar uma cultura espetacular, em ajudar as outras pessoas a conquistar os seus sonhos e depois essas pessoas vão acabar por vos ajudar. O resultado é um pormenor, o sucesso virá naturalmente. Deve havem um grande foco nas pessoas que estão à nossa volta, no nosso cliente, no nosso público. Se o conseguirmos fazer muito bem teremos uns seguidores naturalmente fieis, sem haver essa preocupação do sucesso.


Começaram agora o RoadShow pela Ásia, as expectativas são boas, está a ser interessante o primeiro impacto?

Não podíamos estar mais satifeitos! A Ásia é indiscutivelmente o nosso core target. Esta semana começaram as reuniões com os grandes investidores da Malásia onde se podem destacar as grandes empresas de capital de risco como a MAVCAP E A QMCapital. Foi ousado aquilo que tivemos de fazer para nos podermos encontrar com estas pessoas que, como seria de esperar, têm muito pouco tempo na sua agenda. Como não conseguíamos ter resposta aos emails que enviámos, decidimos "aparecer". Isso mesmo, o que fizemos foi chegar à recepcionista destes centros de escritórios, supermodernos e com segurança apertada, e jurar a pés juntos que tínhamos uma reunião marcada com o diretor executivo de cada uma destas empresas.

Havia sempre a "dança" do "peço desculpa mas o seu nome não consta na agenda" mas a nossa atitude segura e firme de que tínhamos de facto agendado uma reunião permitiu-nos sempre subir ao quinquagésimo andar e falar com quem nós queríamos! É engraçado ver a reação destes diretores que, como pessoas inteligentes que são, percebem naturalmente a nossa jogada e acabamos sempre por, no início da reunião, nos rirmos todos em conjunto daquilo que tinha acabado de acontecer. Quebrámos o gelo, a barreira que todos temos receio!

Conseguimos então cinco reuniões com estes tubarões e podemos dizer que as coisas correram muito bem! Todos gostaram muito do nosso projeto! Estamos agora a tratar de manter contactos com as empresas que se mostraram interessadas na BetApp.




Comentários